Francesinha – Uma iguaria do Porto

Vocês já sabem que, aqui no Serviço de Bordo, a gente sempre tenta experimentar as comidas locais para tentar entender como vivem as pessoas de determinado lugar. Pois bem, estando na cidade do Porto, em Portugal, não havia a menor possibilidade de não experimentar um prato absolutamente típico de lá: a Francesinha.

A Francesinha é um sanduíche constituído de pão de forma, algum tipo de carne, lingnuiça, cobertura de queijo derretido, presunto, um ovo, às vezes, e mergulhado no mais gostoso molho de tomate. Sempre vem acompanhada de batatas fritas. O negócio é muito gostoso! Mas é preciso saber escolher. Nem todos os lugares servem a francesinha com materiais de qualidade e você acaba pagando por uma experiência furada. Nós rodamos muito na cidade do Porto até que nos deparamos com um restaurante que parecia decente, novinho e que servia a belezura! E não podia ter sido melhor a nossa escolha.

Na área externa do Mercado do Bolhão, bem em frente à saída do metro, está o Portus Gustus. Um restaurante recém inaugurado por um brasileiro e que conta com o chef Nuno no comando das panelas. E aí que está a grande diferença da francesinha de lá. Além de usar ingredientes de primeira qualidade, o chef desenvolveu um molho super especial para a iguaria – e é tradição que cada lugar tenha seu molho próprio. Apimentado na medida exata, o molho é uma atração à parte. O chef não quis me dizer o que tinha lá dentro, mas eu chutaria que levou um toque de cachaça, numa colaboração fantástica entre Brasil e Portugal. O pão usado também fez a diferença: ao contrário de outras francesinhas que nós experimentamos, o  pão não ficou mole e encharcado de molho. Mais firme, manteve a estrutura até o fim do sanduíche. Ponto para o pão!

Não deixe de provar essa leitura portuguesa do clássico francês croque monsieur! E o Portus Gustus nos pareceu o melhor lugar para fazer isso na cidade do Porto!


Portus Gustus

Rua Alexandre Braga, Porto

 

Pastel de Belém – O melhor de Lisboa?

É impossível fazer uma viagem a Lisboa e não provar o Pastel de Belém. O doce é um emblema da cidade e todo e qualquer boteco vende dele. Mas, antes de tudo, um esclarecimento: aquele docinho feito com massa folhada e recheio cremoso a base de ovos se chama Pastel de Nata. Pastel de Belém, só esse pessoal aí de baixo que pode fazer, ó:

Alguns dados: A receita do Pastel de Belém original é secreta. Apenas três pessoas têm acesso a ela. No restaurante da Rua Belém, fundado em 1837, são servidos cerca de 20 mil pasteizinhos POR DIA. Isso, sim, vinte-mil-pasteis-de-belém-por-dia. A gente tinha que ir provar!

De fato, o sabor é diferente dos demais. O creme é molhadinho, firme e mais claro. Uma grande diferença é a doçura: é bem menos doce que os demais. Talvez por isso se sirva a iguaria coberta com canela e açúcar – primeiro a canela e depois o açúcar, para quebrar a acidez da especiaria. O aroma de baunilha é suave e a massa é realmente crocante.

O restaurante matriz é bem bonito e labiríntico. E enorme! Tem muitas mesas e vale a pena entrar para comer. Normalmente a fila para consumir o produto na casa é bem menor que a fila para levar os pasteizinhos para comer andando. São inúmeras salas, cada uma com peculiaridades. Em algumas, azulejos tradicionais recobrem as paredes.

Mas, vamos responder à pergunta: é o melhor de Lisboa? Não achei. Achei diferente, mais suave, mais histórico ou tradicional. Mas, o que eu gostei mesmo foi o da Nata Lisboaque experimentamos na pequena unidade que fica na entrada para o Castelo de São Jorge. De qualquer maneira, prove todos os pastéis de nata que encontrar e decida qual é o seu favorito!


Pastéis de Belém

Rua de Belém, 84-92, Lisboa
Telefone: +351 21 363 7423
Horário (fonte: Google):

quinta-feira 08:00–23:00
sexta-feira 08:00–23:00
sábado 08:00–23:00
domingo 08:00–23:00
segunda-feira 08:00–23:00
terça-feira 08:00–23:00
quarta-feira 08:00–23:00
Translate »