O que fazer no Porto, Portugal: 5 dicas

Ah, meus amigos! Hoje estamos de volta com umas dicas para vocês que estão de viagem marcada para Portugal. E se vocês vão visitar aquele país, tem duas cidades que não podem faltar no seu roteiro: Lisboa e Porto. Lisboa não tem como escapar, já que é por lá que você vai chegar, provavelmente. Mas, pense numa passagem de trem que vale a pena, é aquela até o Porto. Ô cidade bonita! A danada é moderna, grande, mas tem seu charme, seus mistérios ( ͡° ͜ʖ ͡°), e umas coisas surpreendentes, como a biblioteca que inspirou Harry Potter e a delícia-do-universo-todo Francesinha – um lanche ogro que você vai adorar.

Então, pega a caneta e anota essas dicas que eu vou te dar agora! (Pode ser um print da tela do celular também que a gente é moderno)

Dica 1 – Visitar Igrejas

Já viu quantas igrejas tem no Brasil? Agora, imagina quantas tem no país de origem do povo que veio para cá e construiu essa ruma de igrejas?! Pois bem, se tem um povo carola nesse mundo é o Português, e o Porto não foge a essa tradição e tem uma igreja por cima da outra. E elas são lindas! Destaque para a Catedral e a Torre dos Clérigos. É um passeio ungido. Tá amarrado!

O que fazer no Porto: Visitar a Torre dos Clérigos

Fachada frontal da Catedral do Porto


Interior da Sé do Porto

OBS.: aproveite que está nesse passeio abençoado e faça uma prece para não levar cagada de andorinha no meio da andança, por que Ô CIDADE PARA TER ANDORINHA! Vai-te!

2 Conhecer a livraria do Harry Potter

Como é de conhecimento universal, a autora de Harry Potter, J. K. Rowlling, morou em Portugal por alguns anos e, segundo ela, muito de sua inspiração para o personagem veio daquele Pernambuco-na-vertical. Não sei se você é fã ou não (se não for, deveria ser!), mas é emocionante entrar na livraria Lello e Irmão e perceber em cada detalhe a inspiração para o mundo de Harry. A escadaria é o ponto alto da livraria e vai ser bem concorrido para tirar uma foto nela. Some-se a isso que a livraria, que não é besta nem nada, atola produto de Harry Potter nas suas prateleiras só para fazer você gastar seus ricos eurinhos num monte de buginganga maravilhosa que não serve para nada, mas que você vai adorar ter. A livraria cobra uma entrada (5,50 Euros), que você compra no anexo que fica na esquina ou online, mas que pode ser convertido em desconto, caso você resolva comprar algo. Você vai comprar. Acredite.

O que fazer no Porto: Conhecer a Escadaria de Hogwarts

3 Atravessar a Ponte e visitar uma Cava

“Do outro lado do rio, fica uma cidade, que na mocidade eu visitava todo dia (…) Petrolinaaa, Juazeiroooo”

A ponte Luís I liga a cidade do Porto à cidade de Vila Nova de Gaia e vale muito a pena atravessar a danada. Melhor ainda se for a pé! E o motivo de atravessar essa ponte não poderia ser melhor: é em Gaia que ficam as cavas dos melhores vinhos do Porto. Aí você atravessa, gasta umas calorias, tira umas fotos bem gatinhas pro IG, chega lá do outro lado e vai dar de cara direto com a Cava da Cálem. Vá nessa. É a que tem a melhor estrutura e a que fabrica um dos melhores portos, na minha opinião: o Velhotes. A visita é paga e com hora marcada. Vale a pena chegar com um pouco de antecedência, mesmo por que isso é importante para a minha próxima dica valer alguma coisa.

Mas é chique, com um Porto na mão, né? Ô Menina linda, essa esposa!

4 Comer um bom bacalhau em Gaia

Muito bem! Como você seguiu a dica desse blog espetacular e chegou mais cedo para a visita na Cálem, aproveite o tempo que tem sobrando e vá até a Taberninha do Manel comer um maravilhoso bacalhau. Essa aqui é dica de morador local, hein? A Taberninha do Manel é velha que só a fome e vende um bacalhau fantástico. Nós pedimos pastéis (bolinhos) de bacalhau, Bacalhau na nata e Bacalhau à Braga. É bom chegar com antecedência, por que demora um pouco pra os pratos chegarem. Aí você aproveita a vista para o Porto, que é linda. Mas vai roncar a barriga por que demora mesmo, mas vale a pena. Aliás, pule o bolinho, que não é nada demais, e vá para o bacalhau na nata, que é fenomenal. Ele é servido desfiado com batatas cortadas em cubinhos pequenos em uma travessa e assado no forno. Serve bem duas pessoas não ogrinhas. Para pessoas ogrinhas, favor pular para a próxima dica, obrigado.

O que fazer no Porto: Experimentar o Bacalhau na Nata do véi Manel

5 Experimentar a famosa Francesinha

Caso o negócio seja ser ogro, nada melhor do que a comida que os portuenses batizaram com o singelo nome de Francesinha. Mas veja bem, de inha não tem nada (talvez ogrinha…). É um sanduíche típico da região e que, dizem, ser a leitura portuguesa do Croque Monsieur francês. É um sanduba de dois andares de pão de forma com salsicha, presunto, queijo, molho de tomate, ovo estrelado e com um pequeno acompanhamento light de batatas fritas. Um lanchinho da tarde. Coisa simples. Pois bem, é uma delícia! E o negócio é que cada estabelecimento tem seus segredos no preparo da francesinha. Por isso mesmo você deve escolher bem onde vai comer a sua francesa, para que a surpresa não seja desagradável. Eu falei aqui de uma Francesinha mara para se comer. Vê lá!

Meia Francesinha de Dani, por que ela é uma moça fina…

Então é isso, meus jovens! Se forem a Portugal, conheçam esses lugares, sigam essas dicas de o que fazer no Porto, postem fotos no Instagram e marquem com a #sbnoporto. Deixa a gente saber da vida de vocês. Conta aí embaixo mais dicas pra gente. Beijos!

Flores Village Hotel & Spa: opção para estadia perfeita no Porto

Se você vai viajar para o Porto, em Portugal, e busca uma hospedagem impressionante, o Flores Village é o seu lugar! O Hotel fica numa casa histórica muito bem preservada e adaptada ao novo uso. Procure saber da história do prédio com os funcionários e eles lhe explicarão com o maior prazer do mundo. Nós fomos convidados para conhecer esse lugar maravilha e contar tudo a vocês!

A fachada do Flores Village é uma atração à parte.
Fonte: http://www.floresvillage.com/gallery.htm

Localizado no coração do Porto, o Flores Village fica perto de vários pontos turísticos, numa rua exclusiva para pedestres, o que garante momentos de tranquilidade e a certeza de que você não vai sofrer com o barulho do trânsito. Também fica perto da estação de metrô São Bento, facilitando a locomoção para partes mais afastadas da cidade. Atenção, aqui: se você for chegar ao hotel de Táxi, tudo bem, eles podem entrar na rua. Se for de Uber, como nós, ele só poderá te deixar no começo da Rua das Flores e você terá que caminhar até o hotel. Não é nenhuma distância absurda, mas que deve ser considerada, uma vez que há malas a serem carregadas.

Ao chegarmos, fomos muito bem recebidos pelo staff, mesmo sendo tarde da noite e muito além do horário que havíamos marcado para o check-in. Não houve sequer um esboço de cara feia para o nosso lado. Aliás, isso é uma marca do povo do Porto: simpatia!

Mas o grande momento foi entrar no nosso quarto: um palacete! Uma cama gigante e ultra confortável, uma cozinha completa com microondas, fogão cooktop, geladeira, armários, talheres. Enfim, completa. Um canto de leitura com uma poltrona, um sofá e uma mesa para refeições com vista para o jardim do hotel.

A cama ultra confortável no nosso quarto no Flores Village Hotel & SPA


Uma poltrona para leitura e uma pequena estação de trabalho, onde eu montei meu laptop e minhas coisas de fotografia. Ao lado da poltrona, tem uma janela, para você admirar o céu enquanto lê. IRADO!

 

Essa abóbada atrás do sofá é o teto do quarto de baixo, que, antigamente, era a capela da família que morava aí! Imagina que legal esse quarto também!

Aliás, as vistas são mais um atração do quarto. Como está localizado numa área histórica, as paisagens do  são igrejas majestosas, conventos, telhados vermelhinhos e um show diário da revoada de gaivotas no porto ali perto. É sério. É de ficar bons minutos assistindo ao show dos pássaros sobrevoando a cidade iluminada à noite, sentado na poltrona ou na mesa de jantar tomando um vinho e comendo bons queijos portugueses.

 

Vista para o jardim interno.

Apesar do desejo de querer ficar no quarto para sempre, o Flores Village é, também, um SPA e oferece algumas facilidades para quem quer dar aquela descansada após um dia intenso de turista pela cidade. Há o banho Turco e o banho Romano abertos ao público e sem custos adicionais. O hotel também oferece massagens especiais, cobradas à parte e que você pode conferir neste link: http://www.floresvillage.com/spa.htm

Na foto mais em cima, o banho turco. Na segunda foto, o banho romano. Usei fotos do site do hotel por que, na hora em que fui fotografar esses ambientes, tinha um pessoal tomando banho pelado e eles não iam ficar muito felizes em serem fotografados…
Fonte: http://www.floresvillage.com/spa.htm

O café da manhã é bem servido, mas não espere um café da manhã de um bom hotel ou mesmo uma boa pousada brasileira. Ovos, bacon, queijo, pães e alguns doces portugueses são o básico do buffet, que, aliás, é servido num salão muito do charmoso, com um teto decorado e grandes janelas com vistas para o jardim interno. Você também tem a opção de pedir o café no quarto preenchendo um panfleto na noite anterior e deixando pendurado na parte externa da porta do quarto. Na hora marcada, está lá o funcionário com o café da manhã.

Café da manhã no quarto com horário marcado no Flores Village

Teto decorado do salão de café da manhã no Flores Village

 

Pastel de Belém – O melhor de Lisboa?

É impossível fazer uma viagem a Lisboa e não provar o Pastel de Belém. O doce é um emblema da cidade e todo e qualquer boteco vende dele. Mas, antes de tudo, um esclarecimento: aquele docinho feito com massa folhada e recheio cremoso a base de ovos se chama Pastel de Nata. Pastel de Belém, só esse pessoal aí de baixo que pode fazer, ó:

Alguns dados: A receita do Pastel de Belém original é secreta. Apenas três pessoas têm acesso a ela. No restaurante da Rua Belém, fundado em 1837, são servidos cerca de 20 mil pasteizinhos POR DIA. Isso, sim, vinte-mil-pasteis-de-belém-por-dia. A gente tinha que ir provar!

De fato, o sabor é diferente dos demais. O creme é molhadinho, firme e mais claro. Uma grande diferença é a doçura: é bem menos doce que os demais. Talvez por isso se sirva a iguaria coberta com canela e açúcar – primeiro a canela e depois o açúcar, para quebrar a acidez da especiaria. O aroma de baunilha é suave e a massa é realmente crocante.

O restaurante matriz é bem bonito e labiríntico. E enorme! Tem muitas mesas e vale a pena entrar para comer. Normalmente a fila para consumir o produto na casa é bem menor que a fila para levar os pasteizinhos para comer andando. São inúmeras salas, cada uma com peculiaridades. Em algumas, azulejos tradicionais recobrem as paredes.

Mas, vamos responder à pergunta: é o melhor de Lisboa? Não achei. Achei diferente, mais suave, mais histórico ou tradicional. Mas, o que eu gostei mesmo foi o da Nata Lisboaque experimentamos na pequena unidade que fica na entrada para o Castelo de São Jorge. De qualquer maneira, prove todos os pastéis de nata que encontrar e decida qual é o seu favorito!


Pastéis de Belém

Rua de Belém, 84-92, Lisboa
Telefone: +351 21 363 7423
Horário (fonte: Google):

quinta-feira 08:00–23:00
sexta-feira 08:00–23:00
sábado 08:00–23:00
domingo 08:00–23:00
segunda-feira 08:00–23:00
terça-feira 08:00–23:00
quarta-feira 08:00–23:00
Translate »